A Ciência Oaieme – Coaching e Mentoring – Curso – O Desenvolvimento.

Aula XXII– Os Protocolos do 4° Poder – VIII

JB da Silva

Não comprar produtos importados que façam concorrência desleal aos produtos nacionais.

****

Nenhum Curso de Coaching e Mentoring assim como outros que visam a formação de líderes, executivos, chefes ou empreendedores de todos os tipos, possuem a pluralidade de exercícios, questões, exemplos, resultados e informações de reais teores como a Ciência Oaieme.

Tais cursos e está muito claro, preparam o indivíduo de acordo com as necessidades do Sistema Global que administra o planeta, mais não de acordo com as necessidades globais de progresso e do desenvolvimento social da Humanidade.

Em se tratando de você, o que se deve aferir, é a relação de seu Mundo Particular com o Mundo Externo, o Sistema Global que o cerca. Note bem, que a esta altura do Curso você já deve ter percebido que de uma forma tirânica e de todas as formas possíveis, o Sistema Global impõe condições e restrições ao seu Mundo e a si.

Para que seja reconhecido como um Ser Humano normal no seio da Sociedade, necessário se faz que você aceite as condições e restrições a si impostas ou sofrerá a antipatia de seus concidadãos.

O que se quer demonstrar é que você usando seu 4.° Poder, pode neutralizar tais ações sem se expor a conflitos com o Sistema ou pessoas à sua volta.

De uma maneira sutil e subliminar, o Sistema impõe ao Mundo os conceitos de moda, educação, cultura, artes, economia, política e até a religiosidade da maneira que bem lhe aprouver. E isto é imposto as Nações em desenvolvimento através da ONU, FMI, Banco Mundial e outras instituições a elas atreladas.

O Sistema Globalizado possui três partições. O processo Civilizatório Ocidental, o Eurasiano e o Islã.

No entanto é entre o Ocidental e o Eurasiano que a disputa se torna mais acirrada principalmente no contexto da economia e da industrialização e a venda da produção, aos países em desenvolvimento e carentes de seus produtos.

Em tais países, uma verdadeira campanha de desprestigio do produto nacional é encetada de maneira sutil e isso leva a Sociedade a acreditar que o produto importado é de melhor qualidade e na maioria das vezes mais baratos e o nacional é só um mero refugo.

Em se falando dos mais caros, a bem da verdade a maioria deles é de patentes pertencentes a Instituições Industriais de propriedade da Elite Piramidal, porém na maioria dos países em desenvolvimento se poderá encontrar produtos semelhantes e confiáveis.

Repetindo a informação, o Planeta é administrado pelo Poder Legal e o Ilegal que são partições de um mesmo Poder, o Abstrato que age no contexto do concreto do cotidiano do Planeta, a Elite Piramidal. Ela age em todas Nações mais não tem sede em Nação nenhuma pois não tem nacionalidade, simplesmente atua, por trás de governos e instituições.

Tanto os Estados Unidos como seus aliados promovem uma verdadeira guerra contra os produtos oriundos da China e da Malásia através de suas Mídias, por provocarem a queda de empregos nos Estados Unidos, na Europa e em países emergentes.

Oficialmente esta guerra não existe, mais no contexto do submundo do contrabando internacional ela acontece e é travada de maneira acirrada e feroz.

Nos países emergentes, caso atípico é o Brasil, pela legalidade se combate o narcotráfico e o contrabando de produtos importados. Pela Ilegalidade se promove a corrupção de governos, instituições, alfândegas, políticos e policiais e tanto americanos como chineses são mestres neste assunto..

Em assim sendo, a nível de Brasil o que se pode fazer?

Garantir postos de trabalho.

Garantir a comercialização de prestação de serviços ou produtos.

Garantir o recolhimento de impostos.

Garantir os investimentos nos setores sociais e produtivos.

O comercio internacional deve ser mantido em prol do bem comum universal porém, cabe a Sociedade local fazer suas opções sobre este ou aquele produto. Ao preferir o produto nacional, você estará garantido um posto de trabalho para outra pessoa ou até mesmo para você.

Ao adquirir um produto nacional você estará fazendo a moeda circular dentro da própria Nação assim como a geração de receitas para a mesma, através dos impostos que evidentemente garantirão o investir pontual nas áreas de educação, saúde, infraestrutura e setores produtivos carentes de financiamento.

Porquê preferir o produto nacional?

Além do explanado anteriormente, o que se deve levar em consideração é de que o produto importado, em sua maioria, não oferece peças de reposição ou concerto de imediato e isso trás um terrível desgaste para aquele que adquiriu o produto.

Os produtos nacionais, em sua maioria, possuem em todos o País lojas de Assistência técnica, peças de reposição e até suporte técnico ou orientação por telefone ou pela Web.

O que se deve levar em consideração também, é de que os produtos importados baratos, quer sejam do Mercado Comum Europeu, Japonês, Americano ou Asiático, são produtos use e jogue fora” logo, não são passiveis de concerto.

A vaidade pessoal impõe normas exóticas ao Ser Humano e aí a pessoa para provar a amigos, parentes e conhecidos que “pode comprar” produtos estrangeiros, de marcas nobres e caras”, troca o produto nacional pelo importado e isso, é exatamente o que quer as Elites Piramidais tanto a Ocidental como a Eurasiana e donas da maior porção de economias e industrias do Planeta.

Preferir o produto nacional mesmo que seja mais caro não é um ato estúpido de xenofobia, mais um ato de inteligência que vai se refletir positivamente na economia interna da Nação.

Bons estudos, bons proveitos, até a próxima aula e Inté.

Independência ou Sorte.

****