templo3Por mais que não se queira debater o assunto, mais o óbvio é que; os conceito e preceitos filosóficos e religiosos não estão sintonizados com as necessidades éticas e morais da Humanidade no momento presente. Após 2017 anos do deslanche das propostas Crísticas assim como de outros Credos, vemos e sentimos anecessidade de um raciosentir ou repensar” sobre a interação entre o mundano e o divino ou entre o Homem e Deus.

A bem da verdade a interação entre o mundano e o divino ou entre o Homem e Deus, é a mesma desde remotas e prístinas Eras.

Nada mudou ainda mais que; a possível interação entre o Homem e Deus, até a presente data, é administrada por Seres Humanos que se intitulam os intermediários e executores das vontades de Deus no plano material.

Reunidos em instituições religiosas e usando toda a sorte de credos, normas, ritos mágicos e satânicos, eles, efetivamente negociantes da fé e da caridade, impõem os conceitos e preceitos de sua religião as multidões, com o apoio das elites, do sistema e até das criminosas máfias.

Mais este estado de coisas termina agora no Século XXI. O mítico, o misterioso, o satânico e o secreto no cerne das Religiões será demonstrado a Todos e espargidos aos Quatro Ventos e em todas as direções.

Quer queiram ou não, os religiosos de todas as nações lerão a Ciência Oaieme, pois ela penetrará no interior dos templos, provocando uma incrível Revolução e das duas uma ou os Religiosos e suas Religiões se submetem as normas da Super Lei, a Ciência Oaieme ou os Templos se tornarão moradas da solidão e do silêncio.

****
**** O olho que dizem que tudo vê, olha o Mundo e não me enxerga pois no Ontem não era, no Hoje não é e no Amanhã nunca será. No entanto Eu olho o Mundo e o olho que dizem que tudo vê: Eu o vejo e o enxergo pois no Ontem Eu era, no Hoje Eu sou e no Amanhã sempre serei porquê na Eternidade das Eternidades, Sou Um de D*E*U*S*.
****
**** Eu vim, vi e venci e nem “eles” me viram nem tu me viste.
**** Um abraço a todos, até o próximo artigo e Inté.
**** Independência ou Sorte. O Aedo do Sertão

****